O mundo da criança: vida intrauterina e nascimento

transformação
Permanência e Transformação
29 de janeiro de 2018
Metas são sonhos com prazos definidos
6 de fevereiro de 2018
Mostrar todos

O mundo da criança: vida intrauterina e nascimento

Você já imaginou como é a vida na barriga da mãe?

Certamente é um mundo bem diferente, no qual todos moramos durante nove meses. Pode parecer pouco para uma pessoa adulta, mas é quase a metade da vida para a criança de um ano.

Cadastre abaixo o seu e-mail e receba os destaques do nCiclos

Durante nove meses habitamos este mundo. É certo que não nos lembramos, mas certamente podemos destacar algumas de suas características:

Limites claros:

A criança sente qual é seu limite o tempo todo. É como uma ilha rodeada de mãe por todos os lados. Isto dá uma clara noção de limites, que traz segurança.

Temperatura estável:

O corpo da mãe atenua as oscilações de temperatura o que dá ao bebê um ambiente de temperatura estável. 

Ritmos Constantes:

Os sons que vem do exterior são amortecidos pelo corpo da mãe. Por outro lado, seus ritmos internos (coração, respiração, etc.) tem grande influência gerando uma sensação de regularidade e constância. 

Alimentação da criança:

A alimentação da criança é feita de modo direto. Ela recebe os nutrientes certos de forma adequada. Novamente o corpo da mãe é como um filtro, atenuando e protegendo a criança das impurezas do ar e das toxinas presentes nos alimentos. Contudo a proteção do organismo materno limita-se aos cuidados da mãe com seu próprio corpo. Se ela tem alimentação deficiente a criança não recebe os nutrientes que precisa.  Se houver uma quantidade de toxinas que o organismo materno não consiga elaborar eles vão atingir a criança. Daí a grande quantidade de problemas nas crianças com pais alcoólatras, drogados e mães que não cuidam daquilo que ingerem.


Gostou do tempo? Você vai gostar de ler: O louco, a prostituta e a criança…um encontro eterno


Amor:

Os sentimentos da mãe alteram seu metabolismo e influenciam o bebê, tanto positiva quanto negativamente. 

O Nascimento

Quando a criança nasce, chega em um mundo bem diferente daquele em que vivia. Sai de um lugar apertadinho, caloroso, escuro, regular nos ritmos e alimentação…

Em que mundo esta criança vai chegar?

No mundo em que sua mamãe preparar!

Este momento de transição é fundamental, mas bastante negligenciado nos dias atuais. Ele pode determinar os primeiros dias que determinarão as primeiras semanas, os primeiros meses, etc. Não existe uma receita exata, mas temos que planejar uma transição menos traumática possível do mundo intrauterino para o mundo “de fora”, em que vivemos. Então depende de cada família o modo como esta criança será acolhida.

Pode ser uma transição tranquila, considerando o tipo de vida que a criança levava na barriga da mãe. Um ambiente calmo, com limites onde o útero pode ser substituído por um pano, uma manta, etc. que envolva a criança. Alimentação adequada, vinda direto do seio da mãe, na temperatura ideal, com todos os nutrientes e “remédios naturais” que o leite materno tem. Pouco barulho, pouca luz com as vozes das pessoas queridas conversando baixo com o nenê. Temos aí uma transformação do ambiente mantendo as mesmas qualidades do útero: Limites, temperatura, ritmo, alimentação e amor. O resultado é uma criança que se sente acolhida, segura e querida.

Também pode ser uma mudança brusca e dolorosa onde o bebê é recebido por um mundo exterior frio, barulhento, com luzes ferindo seus olhinhos despreparados, alimentação inadequada, etc. É mais ou menos como um sedentário entrando numa academia de ginástica, com um instrutor muito severo forçando 12 horas de atividade muito além de suas capacidades. Será que essa pessoa vai voltar para a academia no outro dia? Como ela vai se sentir?

Como a sua criança se sente?


comentários

Luis Henrique Sant' Anna

Educador, Terapeuta Floral, Aconselhador Biográfico, Palestrante e Docente na Escola Livre Antroposofia, estudos biográficos Juiz de Fora-MG e Escuela Eleusis – Argentina.

“O conhecimento das fases da vida, das crises e dificuldades próprias de cada idade sempre levam a uma reflexão. Se por um lado fica uma sensação de que a vida é cheia de crises, por outro é um alívio saber que elas não acontecem só com a gente e que podemos sair fortalecidos e um pouco mais sábios de dada uma delas. ”

Saiba mais sobre Luis

Luis Henrique Sant' Anna
Luis Henrique Sant' Anna
Educador, Terapeuta Floral, Aconselhador Biográfico, Palestrante e Docente na Escola Livre Antroposofia, estudos biográficos Juiz de Fora-MG e Escuela Eleusis – Argentina. “O conhecimento das fases da vida, das crises e dificuldades próprias de cada idade sempre levam a uma reflexão. Se por um lado fica uma sensação de que a vida é cheia de crises, por outro é um alívio saber que elas não acontecem só com a gente e que podemos sair fortalecidos e um pouco mais sábios de dada uma delas. ” Saiba mais sobre Luis
0