Hora de praticar o desapego!

Black Friday, armadilha
Como escapar das armadilhas da Black Friday
10 de novembro de 2017
Crenças, foco
Suas crenças definem suas escolhas e seu foco
14 de novembro de 2017
Mostrar todos

Hora de praticar o desapego!

Desapego, pelúcia, monstro

Desde pequenos, somos ensinados que apego é sinônimo de proteção e segurança. O apego do filho com a mãe, da criança com os brinquedos e com o ambiente.

Bebê, pelucia

O alimento, a proteção, o amor, tudo isso vem do outro, do externo. Não somos acostumados a praticar o amor-próprio, a encontrar nossas próprias ferramentas de sobrevivência. E isso reflete na vida adulta, onde ficamos “aprisionados” a pessoas, coisas ou situações, como se somente o outro pudesse preencher nossas carências e nos ajudar a encarar os problemas.

O bebê se apega ao “cheirinho”, à chupeta, ao ursinho. Quando perde, chora, fica inconsolável, mas dura pouco. Isto porque ele está aprendendo sobre o desapego. É mais fácil para um bebê do que para um adulto, que teve uma vida inteira utilizando bengalas emocionais e aprendendo que apegar-se é bom.

“O apego é uma dependência emocional”

Apego, criança

O apego é uma dependência emocional tão grande que ao mesmo tempo que nos conforta e nos protege, impede o uso de nossa força interior para a realização de mudanças.

Quando nos apegamos, buscamos conforto e segurança. Mas esta sensação impede o fluxo natural da vida e demonstra uma forte resistência à mudança.

E se estamos buscando conforto e segurança no externo, a chance de sairmos machucados é infinitamente maior do que quando desenvolvemos nossa força interior.

O mais interessante disso tudo é que as pessoas são tão apegadas que não se dão conta que a liberdade que o desapego proporciona traz uma sensação muito melhor que o apego.

Precisamos desenvolver o amor-próprio e a autocompaixão. Precisamos entender que estamos sozinhos no mundo e que deste mundo, só levamos nosso aprendizado e nossas experiências.

“O Desapego é necessário para
o crescimento interior.”

O Desapego é necessário para o crescimento interior. Desapegar-se não significa falta de amor ou insensibilidade, mas amar-se em primeiro lugar.

É aceitar a dor, é permitir que ela venha para que você floresça novamente.

Desapegar-se é abrir um novo caminho de possibilidades, é tornar-se inteiro e fortalecer o que está dentro de nós.

Desapegar-se não é desistir, mas compreender que você pode viver com seus próprios recursos, e não depender de nada nem de ninguém para ser pleno.


Clique aqui para ler outros textos de Cintia Suplicy

comentários

Cintia Suplicy

Psicóloga com Formação em Psicologia Positiva, Master Coach e Coach de Bem-Estar e Saúde. Palestrante, docente, idealizadora e co-fundadora do Portal Reescreva-se. Escritora nas horas vagas.

“Falar sobre Felicidade e Bem-Estar é um desafio em um mundo que ainda cultiva o pessimismo e que acredita que a felicidade é feita de momentos. Minha intenção aqui é mostrar a ciência que estuda a Felicidade e fornecer ferramentas e reflexões para ajudar as pessoas a aumentarem o grau de satisfação em suas vidas, além de abordar assuntos que auxiliam no processo do autoconhecimento, passeando pelos campos da ciência e pela espiritualidade”

Saiba mais sobre Cintia

Cintia Suplicy
Cintia Suplicy

Psicóloga com Formação em Psicologia Positiva, Master Coach e Coach de Bem-Estar e Saúde. Palestrante, docente, idealizadora e co-fundadora do Portal Reescreva-se. Escritora nas horas vagas.

“Falar sobre Felicidade e Bem-Estar é um desafio em um mundo que ainda cultiva o pessimismo e que acredita que a felicidade é feita de momentos. Minha intenção aqui é mostrar a ciência que estuda a Felicidade e fornecer ferramentas e reflexões para ajudar as pessoas a aumentarem o grau de satisfação em suas vidas, além de abordar assuntos que auxiliam no processo do autoconhecimento, passeando pelos campos da ciência e pela espiritualidade”

Saiba mais sobre Cintia