Revisitando o passado – O que ele me diz?

cobra, maça, traição
Traição e crescimento: os dois lados da transgressão
1 de setembro de 2017
dúvidas, opções, caixas, desafio
“SE” versus “ENTÃO” – O desafio da sua vida!
5 de setembro de 2017
Mostrar todos

Revisitando o passado – O que ele me diz?

Quando vamos olhando nossa vida no passado, com um pouco de distanciamento, sem sermos arrebatados por antigas emoções podemos começar a vislumbrar detalhes ainda não percebidos. É como olhar uma paisagem e onde antes só víamos um campo vazio, começamos a perceber pequenas flores amarelas ali, um arbusto espinhento acolá e sempre que olhamos novamente algo novo pode surgir.

Na vida também podemos dizer: com 11 anos estava na quinta série, estudava em tal colégio e minha melhor amiga era fulana. Ao revisitarmos essa quinta série, lembramos de uma professora que adorávamos e que ensinava justamente nossa matéria favorita.  Que coincidência!? Então talvez nos recordemos de uma situação muito embaraçosa que passamos; foi terrível na época e hoje sorrimos de leve ao recordar o episódio. E pode ser que o assunto comece a ficar interessante quando passamos a refletir sobre como era a relação entre meus pais naquela época e qual é a minha hoje.  Lembramos do garoto calado que sentava perto da janela na última fileira e da única conversa que tivemos.

Quais eram os meus sonhos então?
O que queria ser quando crescesse?
Quem eram meus amigos?
Qual era a minha turma? Onde eles estão agora?

Se nos acostumamos a revisitar nosso passado, não para lamentar ou sentir uma alegria nostálgica; mas para tentar aprender algo sobre nós mesmos podemos conduzir melhor o barco de nossa existência. Se pararmos um pouco de reclamar daquele período negro (uma sequência de três namorados, três separações após descobrir que os três eram gays) e começo a me perguntar: O que via neles? O que estava buscando realmente? Que aprendizado tive? Aonde esta situação me conduziu? Que forças desenvolvi a partir dela?

Então começo a aprender com minha história. Percebo que aquele furacão imenso arrasou um antigo matagal, mas também abriu espaço para que ali pudesse cultivar algo novo. Começo a me entender melhor, a desesperar menos, a esperar menos, a cultivar a esperança.

Clique aqui para ler outros textos de Luís Henrique

Luis Henrique Sant' Anna

Educador, Terapeuta Floral, Aconselhador Biográfico, Palestrante e Docente na Escola Livre Antroposofia, estudos biográficos Juiz de Fora-MG e Escuela Eleusis – Argentina.

“O conhecimento das fases da vida, das crises e dificuldades próprias de cada idade sempre levam a uma reflexão. Se por um lado fica uma sensação de que a vida é cheia de crises, por outro é um alívio saber que elas não acontecem só com a gente e que podemos sair fortalecidos e um pouco mais sábios de dada uma delas. ”

Saiba mais sobre Luis

Luis Henrique Sant' Anna
Luis Henrique Sant' Anna

Educador, Terapeuta Floral, Aconselhador Biográfico, Palestrante e Docente na Escola Livre Antroposofia, estudos biográficos Juiz de Fora-MG e Escuela Eleusis – Argentina.

“O conhecimento das fases da vida, das crises e dificuldades próprias de cada idade sempre levam a uma reflexão. Se por um lado fica uma sensação de que a vida é cheia de crises, por outro é um alívio saber que elas não acontecem só com a gente e que podemos sair fortalecidos e um pouco mais sábios de dada uma delas. ”

Saiba mais sobre Luis