Você já fez algum trabalho voluntário?

Pelo prazer de gerar e criar
26 de julho de 2017
Mentor – Como encontrar um?
28 de julho de 2017
Mostrar todos

Você já fez algum trabalho voluntário?

“Trabalho Voluntário, Responsabilidade Social
e Qualidade de Vida também
se aprendem na Escola”

Para mim, a responsabilidade social, o trabalho voluntário e a responsabilidade pela própria qualidade de vida são desafios que devem fazer parte da rotina educacional, independente do nível de ensino.

Precisamos formar cidadãos éticos, preparados tanto para o mundo do trabalho quanto para a vida. Para isso se faz necessário reconhecer o potencial transformador de cada um, criando espaço na sala de aula para a construção de uma ponte com a comunidade, onde o aluno possa participar e contribuir proativamente para a construção de uma sociedade mais justa, equilibrada e com mais oportunidades.

“No Brasil, somente 11% da
população são voluntários…”

Acredito que é responsabilidade da educação preparar os alunos para este papel transformador. Para ações capazes de alterar positivamente a sua própria realidade e também da comunidade, onde vivem. De promover mudanças de atitudes, que favoreçam o desenvolvimento sociocultural para a manutenção de um ambiente saudável e uma sociedade mais igualitária. No Brasil, somente 11% da população são voluntários e segundo o Instituto Itaú Social, (2015), dessa população 51% são homens e 49% são mulheres.

De acordo com o Livro Verde, da Comissão Europeia (2001), “a responsabilidade social é um conceito segundo o qual, as empresas decidem, numa base voluntária, contribuir para uma sociedade mais justa e para um ambiente mais limpo”.

Para as organizações a responsabilidade social gera a sustentabilidade, percebida como o equilíbrio entre os resultados econômicos, ambientais e sociais, que agrega valor ao produto.

Enquanto voluntário, segundo definição das Nações Unidas, “é o jovem ou o adulto que, devido a seu interesse pessoal e ao seu espírito cívico, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividades, organizadas ou não, de bem-estar social, ou outros campos…”

“O trabalho voluntário somente foi
regulamentado em 1996, pela Lei 9608/98,
o que representou grande avanço para
o desenvolvimento do voluntariado no país.

Já a qualidade de vida está associada a condições de trabalho, diante das exigências do ambiente empresarial e também das nossas necessidades de adaptação, de acordo com a nossa personalidade, o cargo que ocupamos e as expectativas do meio ambiente. (LIMONGI-FRANÇA, 2012).

Neste sentido, a educação deve estimular a melhoria da qualidade de vida na perspectiva individual e as ações sociais por meio do voluntariado e atividades práticas. Com isso estamos desenvolvendo nos estudantes virtudes e competências como: visão sistêmica, planejamento, liderança, ética, criatividade, responsabilidade, autoconfiança, iniciativa, perseverança, sensibilidade em relação aos desafios sociais e aceitação da diversidade. Estamos criando oportunidade para melhoria do bem-estar pessoal, ampliação do networking, novas ideias, experiências e conhecimentos.

Vale lembrar que Peter Drucker (1909-2005), escritor, professor e consultor administrativo de origem austríaca, considerado como o pai da administração moderna, já dizia que o “funcionário que presta serviços voluntários, por ser solidário à dor do próximo, é mais produtivo.”

“As atividades sociais voluntárias
desenvolvem também os valores humanos,
senso de participação, solidariedade e altruísmo.”

Na prática eles estão aprendendo o valor da doação do tempo, do trabalho, da experiência e talento, de forma espontânea e descobrindo uma maneira eficaz para mudar a realidade onde vivem.

Podemos assegurar que o trabalho voluntário contribui de forma relevante para o desenvolvimento pessoal e profissional, favorecendo a descoberta de novas habilidades e corroborando para a melhoria da qualidade de vida e do bem estar. Ajudar o próximo nos faz sentir mais solidários e este sentimento gera uma enorme satisfação. Como dizia Ralph Waldo Emerson, famoso escritor e poeta norte-americano (1803-1882), “que todas as pessoas que ajudam aos outros, ajudam a si mesmas e essa é uma das mais belas compensações da vida”.

Acredito muito em atividades práticas, especialmente em ações sociais, que partem de uma experiência de referência. Torna-se um aprendizado significativo e duradouro. No modelo da escola tradicional o aluno aprende um conjunto de lições e então passa por uma prova. Na vida real acontece exatamente o oposto. “Primeiro passa-se por uma prova e dela aprende um conjunto de lições. ” Este tipo de trabalho ressignifica à vida, gera um colorido especial no ambiente onde é aplicado e transforma as dificuldades em desafios a serem superados.  Isto é aprendizagem, crescimento e evolução. É qualidade de vida.

Clique aqui para ler outros artigos de Cleuza Pimenta

Cleuza Pimenta
Professora de MBA. Consultora empresarial com foco em treinamentos experienciais. Mestre em Administração, com formação internacional, na George Washington University – Washington DC – EUA. Especialista em Gestão Estratégica de Recursos Humanos, com aperfeiçoamento na Áustria.

“Temas atuais e relevantes que estimulem à reflexão das pessoas a respeito da responsabilidade sobre a própria Qualidade de Vida. Instigar à melhoria da autoestima, o respeito, a conquista de um estilo de vida mais saudável. Contribuir para a geração de ambientes empresariais harmoniosos, criativos estimulando a colaboração e a motivação de forma natural e espontânea. Encorajar as pessoas a planejarem a sua aposentadoria. ”

Saiba mais sobre Cleuza

Cleuza Pimenta
Cleuza Pimenta
Professora de MBA. Consultora empresarial com foco em treinamentos experienciais. Mestre em Administração, com formação internacional, na George Washington University - Washington DC – EUA. Especialista em Gestão Estratégica de Recursos Humanos, com aperfeiçoamento na Áustria. “Temas atuais e relevantes que estimulem à reflexão das pessoas a respeito da responsabilidade sobre a própria Qualidade de Vida. Instigar à melhoria da autoestima, o respeito, a conquista de um estilo de vida mais saudável. Contribuir para a geração de ambientes empresariais harmoniosos, criativos estimulando a colaboração e a motivação de forma natural e espontânea. Encorajar as pessoas a planejarem a sua aposentadoria. ” Saiba mais sobre Cleuza
  • Toni Luciano

    Nas poucas vezes que dediquei ao voluntariado, tive a mesma sensação definida no texto. Aprende-se algo que não é encontrado em sala de aula. Parabéns pelo texto, professora.

    • Cleuza Lúcia

      Oi Toni, obrigada por compartilhar os seus sentimentos e experiências.

  • Juliana

    Parabéns pelo artigo sobre o trabalho voluntário. Muito bem escrito e verdadeiro. Realmente, sentir-se útil é algo que nos engrandece e faz muito bem para corpo e alma.

    • Cleuza Lúcia

      Obrigada Juliana. Concordo plenamente com você.

  • Rogério Dutra

    Excelente artigo professora! Lutemos para um país mais humano e que possamos despertar em cada um de nós um sentimento voluntário autêntico.

//]]>